• SISCRED

Pandemia: volta às aulas



Eu não sei, você não sabe, ninguém sabe o que nos reserva pós-pandemia. É fato que agora temos menos mortes, menos casos, as curvas exibem a nova realidade da taxa de contágios. Em razão disso, ensaia-se o retorno às aulas presenciais, apesar do receio de pais e profissionais. 


Apesar dessa preocupação, mesmo assim, a Prefeitura Municipal de João Pessoa tomou a decisão de divulgar o calendário de flexibilização das aulas presenciais a partir do dia cinco do corrente mês. Faltando apenas três meses para o término do ano letivo. 


Faço uma apostinha com quem quiser: na verdade, as escolas estão ansiosas por garantir rematrículas, e os prefeitos estão de olho nas eleições. Um e outro, com pretensas razões pedagógicas e emocionais, procuram escamotear a questão mais importante - a única questão, em se tratando dessa pandemia de um vírus letal e contra o qual ainda não há vacina -, que é a saúde, a preservação da vida. 


Cada vez que escuto ou leio alguma matéria sobre o assunto, fico convencido que não serão políticos, burocratas ou empresários que poderão decidir ou decretar o retorno às escolas em segurança, mas cientistas, especialistas em saúde pública. Até agora não há sequer um epidemiologista respeitável que garante com confiável margem de certeza que o convívio de crianças, jovens e adultos no ambiente escolar não causará uma nova onda de contaminação. 


Nesse embate, lamentavelmente, reside o risco de os apressados utilizarem discurso horroroso, falacioso e fantasioso, sem coesão ou fluidez para dizer que já há condições para retomada das aulas presenciais. Assemelhando-se a um carro aos solavancos, dirigido por um motorista sem habilitação. Um fato é incontestável: ainda não estamos fora de perigo da pandemia. Pois é grave miopia pensar diferente. 


Isento e direto, digo: não bastam termômetros digitais, tapetes sanitários nas portas das escolas, totens de álcool em gel, máscaras trocadas a cada duas horas ou rodízio de alunos. O risco maior reside no contato pessoal entre os colegas e nas aglomerações nos pátios. Tem mais: querem comparar países do Primeiro Mundo com o Brasil? Aqui muitas escolas não têm água nem para lavar as mãos. 


Ainda, se passa ao largo de enfrentar a verdade dos fatos. Isso tem um nome: hipocrisia. Quiçá, um pote até aqui de mágoa. Com responsabilidade, com base em

protocolos e medidas de segurança, dá-se um passo atrás para que se deem dezenas de outros à frente. 


Como sou um otimista incorrigível - embora os fatos, muitas vezes, me desmintam - creio que todos querem a volta à escola, mas sem açodamento e sem que

fatores exógenos induzam a decisão das autoridades governamentais. 


Juízo, nada mais resta a dizer. 

 

LINCOLN CARTAXO DE LIRA 

Advogado, Administrador e Escritor

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

A doce Baby 

Ainda estamos comemorando o aniversário da nossa Baby. Exatamente no dia 18/9, sexta-feira, quando completou 12 anos de vida. Através do renomado Jornal Correio da Paraíba, em 5/11/2009, publiquei uma

SISCRED - Recuperação de Créditos

Sede: (83) 3241-9879   |   Escritórios Conveniados: (83) 99643-4390

  • Facebook Clean
  • Branca Ícone Instagram
  • LinkedIn Clean